terça-feira, 21 de novembro de 2017

Retomando os Trabalhos

Durante os últimos anos me dediquei a outras atividades da vida profissional. Entre elas a ardua tarefa da organização política da minha categoria. Foram longas e duras lutas por parcas melhoras salariais e de condições de trabalho. Em contraponto, a sempre presente tarefa de resistência a precarização da educação pública. Como esses ataques acontecem de várias formas nunca estamos completamente confortáveis em nossa posição de educadores. Lamentável que seja assim.
Contudo, ao longo desse hiato entre as postagens nesse espaço virtual, ocorreram alguns mutirões e trabalhos na agrofloresta. Mais do que nunca a Agrofloresta do CEPARL está forte e vigorosa. Foi especialmente gratificante receber um visitante estudante da Universidade Federal Fluminense e poder apresentar o projeto como um Sistema Agroflorestal(SAF) de fato. Primeiro pelo reconhecimento institucional da direção do colégio e a Secretaria de Educação, depois por essa ser no momento um SAF porte intermediário com condições ecológicas amplamente favoráveis a reprodução da vida em seus diversos ciclos.
Durante os últimos anos pude acompanhar o crescimento do movimento de agroecologia em todo Brasil. Ganhando espaço na mídia, denunciando o nefasto modelo agroalimentar baseado na produção agroquímica que leva o veneno a mesa de milhares de pessoas e adoece grandes contigentes de trabalhadores. Seja pelo trabalho diretamente relacionado ou apenas pelo fato de se alimentar de produtos tão contaminados por substâncias tóxicas. Por outro lado o movimento de trabalhadores de diversos setores da sociedade se fortaleceu propondo e construindo soluções. Foi crescente também sua organização para atuação e notória produção de conhecimento na área de trabalho.
O nosso retorno ao trabalho ocorre pelo entendimento que é necessário o desafio de transformação do paradigma ainda majoritariamente ligado ao consumo agroindustrial. Fica aqui exposto o nosso auto desafio em retomar esse trabalho e tornar novamente a agroecologia uma frente de resistência e esperança no espaço do colégio para sonhar um futuro de um mundo sim utópico, porém completamente possível.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Agrofloresta do CEPARL é notícia

Olá gente,

Após um longo período sem publicações voltamos. E dessa vez como notícia no Globo educação. Estamos muito felizes por esse reconhecimento.Segue o link com a matéria completa:


AGROFLORESTA DO CEPARL É NOTÍCIA NO O GLOBO


http://redeglobo.globo.com/globoeducacao/sou-professor/noticia/2014/02/projeto-agrofloresta-proposta-e-aproximar-adolescentes-da-natureza.html

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Sabão ecológico no Alcina.

No dia 29 de maio de 2012, realizamos a experiência interdisciplinar de produzir sabão à partir de óleo de cozinha usado. O óleo é extremamente poluente e é comum seu descarte sem tratamento. A prática aqui realizada têm como proposta recolher o óleo e integrar as disciplinas de Geografia, Química e de projeto do Ensino Médio Inovador - Agricultura Urbana e Tecnologia Social.


A receita que utilizamos é simples:

  • 10 Litros de óleo de cozinha usado
  • 2kg de Soda Cáustica
  • 2 litros de água fervendo
  • 2 litros de Álcool
  •  Essência de Tangerina a gosto

Separamos uma amostra a pedido do Professor Denílson de Química e adicionamos a esta um copo americano de sal de cozinha comum.


1)Coleta e utilização do óleo descartado




2)Soda Cáustica. Somente Utilizada com Luvas!!! Este é o momento perigoso da experiência. É importante a precaução de usar luvas de borracha para evitar possíveis acidentes.




 3)Mexe bastante... O tempo total de do processo é aproximadamente 1 hora. por isso é importante a participação de todos, para que a prática não se torne entediante.


4)Supervisão do Professor Denílson de Química.





Amostra diferenciadas usando sal no recipiente menor.



Agora o sabão descansa para por fim ser utilizado.




Esperamos que tal experiência possa se repetir em outros colégios, por ser rica em aprendizado, ecológicamente equilibrada e socialmente responsável. Há estimativas de que 1 litro de óleo de cozinha em contato com água potável chega a contaminar 1 milhão de litros de água.


Grato a todos que participaram.


Abraços

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Postado por Sérgio Pimentel, grande parceiro nesse projeto. Publicado em:

http://sitiopertodoceu.blogspot.com.br/2012/05/identificando-e-classificando-especies.html

Valeu a força Serginho!

 

Identificando e Classificando espécies vegetais nativas e exóticas em AGROFLORESTA urbana.



Identificar e classificar espécies vegetais não são tarefas fáceis dadas à biodiversidade de nossas espécies (nativas) e a quantidade grande de espécies exóticas bem adaptadas em nosso território.
O sistema de classificação utilizado ainda hoje tem como base os estudos de Car Von Linné (Lineu – 1707 / 1778) que tem como base a observação, estrutura celular e nutrição. Porém, quando se refere a espécies vegetais, a dificuldade aumenta devido à variabilidade de espécies, a sinonímia, ao tempo que é necessário, pois há necessidade de se acompanhar todo processo de crescimento e maturação das espécies (crescimento, floração, frutos, sementes, textura de caule.)
Em nosso trabalho tomamos por base os nomes populares e com o auxílio da internet e apoio de literatura técnica especializada procuramos identificar as espécies existentes na AGROFLORESTA urbana do Colégio Estadual Professora Alcina Rodrigues Lima, localizado no bairro de Itaipu na cidade de Niterói RJ. Quando não há informação nem sobre o nome popular o trabalho aumenta ainda mais o nível de dificuldade, neste caso, a observação das partes existentes do vegetal comparada com fotos em livros e sites especializados passa a ser a única alternativa.
O espaço em questão mede aproximadamente 1000 metros quadrados. É uma área localizada nos fundos da escola que tem sofrido ações construtivas, o local que até bem pouco tempo servia de espaço onde eram descartados os restos de obras pretéritas  hoje já esboça ser um espaço de aprendizado sobre o ambiente que vivemos.
O trabalho está sendo realizado por estudantes dos segundos e terceiros anos do Ensino Médio Inovador no horário destinado as aulas de Iniciação Científica, Biologia, Geografia e conta com o direcionamento e coordenação do professor de Biologia e Iniciação Científica das turmas.
Foram classificadas até o momento 30 espécies nativas e 10 espécies exóticas. O trabalho está longe do fim, pois ainda há  espécies que não foram classificadas.



Levando também em consideração que o espaço ainda está em formação e recebe mudas diversas de plantas doadas pela comunidade escolar podemos concluir que ainda há um longo caminho a percorrer.

Por: Sérgio Pimentel

Referencias Bibliográficas
LORENZI, Henry – Árvores nativas brasileiras – Volumes:1,2,3,
 CASTRO,P.R.C., KLUGE, R.A., PERES, L.E.P. - Manual de fisiologia vegetal.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Oficinas de Horta.





Em 2010 Realizamos algumas oficinas ligadas a agricultura urbana. Uma de muito sucesso foi a de horta orgânica. Organizamos uma horta escolar com fins educativos e agora ela participa de nossos processos pedagógicos. O resultado são atividades interdisciplinares ao ar livre, e em contato com a natureza. Uma experiência pedagógica muito gratificante.
Abraços

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Oficina de compostagem

Foi ministrada a oficina de compostagem com objetivo de difundir a técnicas de reciclagem do lixo orgânico em insumo(adubo) para as hortas que estão sendo trabalhadas no CEPARL. A técnica consiste em separar lixo orgânico proveniente da merenda escolar e transformá-lo em adubo de alta qualidade. Além do lixo orgânico do colégio contamos também com as folhas de árvores e o resultado é ótimo! Muito adubo e hortas altamente produtivas.


sexta-feira, 19 de março de 2010

Ensino médio inovador em Niterói no CEPARL

Agora o nosso colégio faz parte do Ensino médio Inovador ligado ao governo federal, fazemos parte do seleto grupo de escolas que desenvolvem propostas alternativas de educação no ensino médio e são financiadas diretamente pelo Ministério da educação MEC.
O projeto de agrofloresta foi fundamental nesse sentido, e retorna esse ano voltado para as práticas do ensino médio com uma ementa de disciplina eletiva aprovada, se trata da disciplina de: Jardinagem e agricultura urbana, que tem a proposta de integrar os conhecimentos ministrados no Ensino médio com oficinas e práticas pedagógicas diferenciadas. Essa disciplina será desdobrada durante o ensino médio inovador no segundo ano do EM como ecoturismo e coletores de sementes e no terceiro ano do EM como plantas medicinais e remédios fitoterápicos.
Dessa forma o projeto de mudas agora ganha nova força e em breve uma disciplina que poderá usar o espaço da agrofloresta plenamente.

Fotos do Mutirão de poda.


Retomando os Trabalhos

Durante os últimos anos me dediquei a outras atividades da vida profissional. Entre elas a ardua tarefa da organização política da minha ca...